terça-feira, 31 de março de 2009

A igreja Católica contra o Preservativo

Interrompo aqui o meu relato para tecer a minha humilde opinião acerca das recentes e polémicas afirmações acerca do uso do preservativo, vertidas por vários Prelados do Clero Lusitano, em defesa de Sua Santidade após a sua recente "metedura de pata".

Parece ser que apenas algum "rebelde" nas fileiras da igreja se atreve a tomar uma posição coerente com a manutenção da vida humana. Mas há algo que me perturba..."Têm uma obrigação moral de se prevenir e de não provocar a doença na outra pessoa(...)Há a obrigação moral de usar o preservativo"... será que o Sr. Bispo de Viseu me criticaria muito se eu argumentasse que ninguém é infectado de HIV por outra pessoa, mas sim que se infecta de HIV por manter relações sem protecção com outra pessoa (pondo que esta é a via de contágio mais frequente).No meu caso pessoal, considero que me infectei com HIV, e não culpo ninguém por isso. Se acaso a mim próprio. Mas o que está claro é que a obrigação (moral, ética, comportamental, cognitiva... deixo à escolha do freguês)de colocar meios de protecção numa relação sexual, é de igual responsabilidade para todos os participantes, e não somente para os que estão diagnosticados com HIV. Até porque se sabe que estes normalmente são os primeiros a sentir o peso do estigma e os problemas de consciência no caso de não usarem o preservativo.Além disso, bem mais perigoso é uma relação sem protecção onde nenhum dos intervenientes tem um diagnóstico efectuado, nem as provas pertinentes. Uma ENORME quantidade de gente está infectada e não o sabe, e a maioria dos contágios que se registam hoje em dia, são justamente provocados por esta situação.Quanto às "Igrejisses" em questão, parece que apenas o Sr. Bispo das forças armadas tem uma noção da realidade. Todos sabemos que a posição do Sr. Bispo do Porto é utópica. Mas a meu ver compreensível.Passo a Explicar:Diz o Sr. Bispo do Porto que o problema é comportamental. eu entendo o seu ponto de vista, embora não o comparta.Vista a actual crise de vocações na igreja católica, o que este senhor pretende é que todos sejamos celibatários, e por consequência todos dignos do sacerdócio, e assim acabar com a SIDA. Seria um método eficaz, se fossemos todos Santos. Mas como somos apenas Humanos, não creio que seja viável. Nem mesmo entre os que se supõe que são celibatários por vocação religiosa, já que é conhecido que na sua condição de Humanos e pecadores, até estes "fornicam" e seguramente que nem sempre com preservativo. Que escândalo, não é? Eu conheço pessoalmente casos.Bem melhor será usar o preservativo e penar no Purgatório para todo o sempre, que ser diagnosticado com HIV e ter de viver com o peso desta condição para o resto da vida. (Vão por mim... eu SEI)E aquilo que eu recomendo a toda a gente, isso sim. quer tenham tido relações sem protecção ou não, é que realizem com frequência o teste do HIV. É a única maneira de conseguir um diagnóstico precoce (HIV+) e evitar uma situação bem mais grave que é ter SIDA.
Abraços
Zé Ninguém

6 comentários:

R. Rudoisxis disse...

Caro Zé
Vi o blog desde o inicio o teu testemunho a noticia. Confesso que quase não li este post sobre a igreja e o uso de preservativo e tenho escrito muito sobre este assunto.
Vim aqui apenas porque deixaste um comentário no SIDAdania,e esse comentário impressionou-me e vim dar uma mãozinha.
Eu sou HIV positivo hà 13 anos a decorrer. Sou saudável no que diz respeito ao controle do virus.
Dez anos disse-te a tua médica de familia de vida saudável. Os médicos de familia (quase todos) sabem pouco sobre o HIV. Agora vais ser seguido num hospital por um médico especialista, e certamente ele vai-te dizer que vais ser saudável por 20, 30 oumais anos. A longevidade hoje em dia é semelhante à das pessoas não infectadas.
Depois de saberes cargas virais e contagens de CD4 (Células do Sistem Imunitário) podes até estar alguns anos sem precisares de medicação. Depois quando a medicação for precisa tudo se normaliza, e ficarás com valores no sistema imunitário igual ou semelhante à das pessoas não infectadas.
Tens apenas uma infecção crónica para a vida e que pode ser controlada para não se desenvolver.
A SIDA hoje é apenas isso.
Um abraço e continua a escrever sobre ti e vai dando noticias.
Acima de tudo este comentário é de igual para igual. Acredita

M. disse...

Olá Zé que é acima de tudo ALGUÉM. Vim pelo Sidadania do qual sou assídua e a única coisa que me apetece criticar negativamente é o teu nick. Por muito que não passe de um nick, sugere-me que te dás um rótulo depreciativo quando tens todo o valor que caracteriza o ser humano que não existe no seu modo perfeito. Li o teu blog todo, e aplaudo o teres passado a barreira física que te imepdia de concretizar o teu sonho. Portugal ainda vai devagar mas há-de lá chegar. A Igreja, penso que também e até é a que menos preocupações vai dar. As pessoas e as mentes é que ainda precisam de ser "conquistadas" e libertas das suas fobias, tanto em relação à Sida como às preferências sexuais do vizinho do lado. Penso que o sidadania, pela mão do Raul já tem um papel bastante importante no desempenho dessa missão que´não é mais do que ser veículo de informação e centro de ajuda para quem sente que o desespero lhe bateu à porta. E agora tu, com a experiência podes vir a fazer parte do grupo cuja meta principal é combater medos e restaurar a harmonia a todas as vidas e vihdas.

abraço de uma não-HIV+ sem preconceitos.

Zé Ninguém disse...

Caro Raúl,
Obrigado por passares por cá. Acabaste de me motivar a escrever um novo post no blog, coisa que há já muito tempo nao fazia,em que respondo em grande parte ao que me dizias no teu comentario.
Apenas queria fazer uma pontualizaçao: o termo SIDA, a meu parcer nao é o mais adequado para a nossa situaçao. Temos HIV ou somos seropositivos. Segundo toda a informaçao que recolhi ao longo destes meses, SIDA é apenas quando devido a uma baixa contagem de CD4's desenvolvemos alguma infecçao oportunista característica, e devido á enorme sorte que temos os que vivemos no velho continente, essa situaçao é cada vez mais invulgar.
Penso seguir o teu blog com assiduidade, e espero que te animes a fazer o mesmo com o meu.
Recebe um abraço fraterno deste teu novo "irmao de sangue",
Zé.

Zé Ninguém disse...

M: Muto bemvinda!
Penso que devo explicar o que me levou a escolher este nick. Nao como um adjectivo depreciativo, mas sim como alguém a quem lhe tocou viver esta experiencia do HIV. Zé ninguém, porque mais nao fiz do que viver a minha vida como qualquer outra pessoa. Zé Ninguém porque de igual maneira esta experiencia pode ser vivida por qualquer um já que o HIV nao descrimina.
Efectivamente, sou dos que pensam que os objectivos de cada um sao motivo mais do que suficiente para lutar, embora impliquem ao mesmo tempo a abdicaçao de muitas outras coisas. A realizaçao pessoal sempre foi um dos meus principais objectivos, e nao exitei em deixar tudo para trás e partir à aventura.
Acertaste em cheio no intuito deste blog. Espero com a minha experiencia pessoal poder servir de apoio para quem passe pelo mesmo que eu ou para quem viva a situaçao em alguém próximo. Ao ver a experiencia dos outros, podemos ter um pouco de esperança e abstrairnos da nossa própria, para dar-nos conta de que a vida continua e de que nem mesmo o HIV é um bicho de sete cabeças... terá algumas, mas nao serao sete!...
Espero que te animes a ser leitora das minhas experiencias futuras, e espero conseguir plasmá-las de maneira que despderte o interesse nessa leitura.
Um abraço,

Anónimo disse...

Olá meu caro Zé, adimiro muito sua atitude, atitude esta que encoraja qualquer pessoa a seguir em frente!
Em relação ao posicionamento da Igreja Católica acerca do preservativo, que infelismente é contra pra uma organização universalmente conhecida, isso é de lamentar, pois pode regredir todos os avanços que temos hoje com um pouco de mentes mais tolerantes e de organizações de saúde que cumpre um papel fundamental aqui na terra em ajudar muitas pessoas que precisam.
Acho que tais posicionamentos impençáveis só pode resultar em falhas e preconceitos de populações que de igual modo não refletem para críticas construtivas e longe de alienações...A Igreja católica não foi feliz com esse tipo de posicionamento já que está presente no mundo todo! Mas diante de tudo isso, eu reconheço o esforço e a posição de igualdade de vocês, eu era estudante de Enfermagem e já pesquisei um pouquinho acerca de tais vírus e doenças crônicas e sinceramente não consigo entender a ignorãncia das pessoas em relação às pessoas que também tem os mesmos problemas que você! Mas eu sei que se há isso em nós seres humanos que éa fraqueza, creio que com o ajuntamento das ideias iremos novamente desenvolvermos pro nosso próprio bem, afinal de contas temos um ser maior que entende as nossas deficiências internas, por que a externa não é motivo pra nos matar de preocupação...E é realmente isso que me afetou o seu caráter que como pessoa comum externou para o mundo ouvir, a beleza das suas palavras e indagações, que não serão só tua comunidade que irá te dar ouvidos e entender-te, saiba que há Deus e outras pessoas que não estão mais na caverna da ignorância que também abraçam tua causa, estou contigo Zé ...:)

Zé Ninguém disse...

Caríssimo Anónimo,
Apenas agora vi o seu comentario. Agradeço as palavras de solidariedade e respeito. Seja muito bem-vindo a este espaço e espero vê-lo mais vezes por aqui.
Um abraço,